Da audiência para a exposição

publicidade

Através do barulho de uma moto vendendo pão em São Paulo, duas pessoas descobriram que estavam fisicamente perto, e foram tomar um café juntos. Uma delas era o comunicador Luciano Queiroz, um dos fundadores do Dragões de Garagem, um grupo de Divulgadores de Ciências. A outra pessoa era a comunicadora Tabata Bohlen, que na ocasião estava no meio do seu doutorado. Portanto era uma consumidora de divulgação científica, mas ainda não trabalhava diretamente com isso. Foi a partir desse encontro que o início da sua carreira deslanchou.

Tabata Bohlen no laboratório
publicidade

Bacharela em Ciências Biológicas, Mestra e Doutora em Ciências pela USP, a Dra Tabata, antes de ser doutora, já interagia bastante com comunicadores através do twitter (aliás, o Iberê interage bastante por lá também). Foi lá que pela primeira vez trocou mensagens com alguns integrantes de podcasts, como o Nerdcast. O Luciano Queiroz passou então a incentivar a Tabata pra ser uma comunicadora de ciências. Por fim, a chamou para participar do canal do Youtube do Dragões de Garagem, onde ela até hoje apresenta o quadro Notícias de Garagem.

Construção

O quadro mostra para as pessoas o que o cientista faz, focando em ciência produzida no Brasil e por brasileiros. Eles escolheram usar os artigos mais recentes, os que tinham acabado de sair nas revistas mais importantes do campo da ciência, e transportar isso pro Youtube. Usando a rede de especialistas, ela conseguiu acompanhar revistas de astronomia, física, políticas, psicologia, mesmo sendo especialista em ciências biológicas. Esse intercâmbio entre especialistas tem um poder muito grande na comunicação.

E quanto mais diversidade de pessoas no Youtube, melhor. Vez por outra a aparência do comunicador é o que primeiro chama a atenção. A Tabata, por ser dançarina, já estava acostumada aos palcos, o que é “parecido mas diferente” com o Youtube. A exposição no Youtube é feita para pessoas que verão o vídeo e serão, em muitos casos, apresentados pela primeira vez a divulgação científica. E passar por essa primeira etapa da atração visual e ser captado pelo conteúdo é incrível e totalmente possível.

Tabata Bohlen no estúdio de gravação

Um dos receios da Tabata antes de começar no canal era o da exposição na internet, como isso seria recebido pelo público. Uma das surpresas boas é que, por mais que a o público seja composto mais de 90% por homens, são homens que não comentam sobre aparência, mas estão focados mesmo no conteúdo. Eles conseguem ultrapassar a primeira barreira. O que é ótimo para todo mundo. É muito legal saber que a comunidade que segue o canal tem essa consciência de desvincular o trabalho de uma pessoa da sua aparência. Um fator não necessariamente está ligado ao outro.

Apresentação

No início a Tabata não via esse trabalho como possibilidade profissional mas sim mais como uma responsabilidade social. Ela se sentia na obrigação de retornar pra sociedade aquilo que a sociedade permitiu acontecer, o desenvolvimento da informação. Isso acontece através do suporte às universidades e a pesquisa acadêmica e científica, que tanto melhoram a qualidade de vida de uma sociedade.

Como ela está apresentando a própria interpretação sobre um artigo científico produzido por outras pessoas, seriedade no trabalho é algo muito importante. Ela não iria gostar que pegassem um artigo dela e fizessem uma interpretação errônea ou muito escrachada. Isso não quer dizer que ela não possa ser leve ou bem humorada. Quer dizer que o trabalho de divulgação e comunicação deve ser levado com todo cuidado e profissionalismo, já que tem um papel social importantíssimo. 

Diretoria

E foi quando a Tabata passa a ser co-diretora do SVBR, selo de qualidade para canais de divulgação no Youtube (que o Manual do Mundo também ajuda a carregar). Foi muito importante porque ela passa a ficar ainda mais próxima do compromisso que esses divulgadores têm com a informação correta, do cuidado que eles tem com o que passam para a comunidade (o que não é necessariamente uma verdade para o YouTube). A questão da credibilidade dentro da ciência é muito importante. Por isso mostrar as referências e fazer todas as relações necessárias se faz obrigatório na divulgação e comunicação científica. 

Por ser a única mulher na diretoria sempre que se chega no debate sobre gênero, algumas mulheres que participam do grupo vão até a Tabata. Ter acesso a essa pessoa que tem experiências diferentes dos homens, que pode ter uma empatia ainda mais sólida, pode levar a uma melhor compreensão dos assuntos. Conversar sem barreiras, com pessoas diferentes, com diferentes poderes e tamanhos de redes, e poder colocar sua posição, é fenomenal. Novamente, diversidade melhorando as relações, inclusive entre os divulgadores.

Dra. Tabata Bohlen em um dos eventos de Divulgação de Ciências

Continuidade

No futuro ela quer investir muito em mostrar que os cientistas são pessoas normais. Não quer que exista um perfil nas redes onde ela vai trabalhar e fazer divulgação e o outro para postar suas coisas pessoais. Gostaria de fazer tudo no mesmo perfil. Ela é esse conjunto, ela é tudo isso. É divulgadora mas também fica em casa e faz esportes, como outras pessoas.

A Dra. Tabata reflete muito sobre o ponto de que a vida da pessoa fora da comunicação científica não faz com que ela perca a credibilidade dentro da divulgação. Uma das razões é ligada ao esporte que ela escolheu realizar, o pole dance, que ainda é ligado a vida noturna e boates, apesar de ser muito além disso (como um esporte, por exemplo). Acabar com esses estigmas, com esses tabus, é o foco da Tabata para o futuro. E como mestra e doutora nas áreas de reprodução e hormônios, quer comunicar mais a respeito de pesquisas no campo da sexualidade e da reprodução. Algo tão presente na vida humana e muito pouco conversado, também por ainda ser tabu. Através da informação podemos entender melhor o que é a sexualidade. E viver melhor.

Espero que em breve o tempo seja mais elástico pra que a Tabata possa vir e passar ainda mais informações pra gente. Informação liberta.

Sucesso, Tabata

E que bom ver você por aqui, espero que volte sempre. Obrigado e tchau.

 

Quer conhecer mais histórias inspiradoras de mulheres na ciência? Confira abaixo!

► Espalhando ideias
► Trazendo uma especialista para a conversa
► Comunicando História
► Comunicadora, Pesquisadora, Professora

 

Deixe seu comentário
Artigo anteriorAs 3 novas missões para Marte
Próximo artigoComo fazer um PINBALL CASEIRO com PAPELÃO e ELÁSTICOS!
Licenciado em Ciências Biológicas e Mestre em Biologia Funcional pela Universidade de Campinas, trabalhei por mais de 13 anos como professor de Ciências e hoje trabalho com comunicação e divulgação de ciências, escrevendo roteiros, produzindo vídeos e fazendo o meu melhor para levar a comunicação científica para o conhecimento de todos. Ah, tenho um número circense no trapézio fixo, já desenvolvi blog, canal no Youtube e podcast. Co-fundei e co-dirijo o SVBR, selo para garantir a qualidade da divulgação científica no Youtube. Me orgulho de tudo.