O que tem DENTRO do MIMEÓGRAFO (o avô da impressora)

publicidade

Escreva em um papel, coloque em uma máquina, adicione álcool, empurre a manivela e veja a mágica acontecer: uma folha impressa com tudo que você escreveu e/ou desenhou com um cheiro impressionante de bom. Isso te recorda algo? Se você pensou no mimeógrafo, a resposta está correta. E já que o assunto é esse, você sabe o que tem dentro do mimeógrafo?

publicidade

Para que serve o mimeógrafo

Antes de descobrirmos o que tem dentro do mimeógrafo, vamos, primeiramente, entender para que serve o mimeógrafo.

O mimeógrafo, basicamente, era, e ainda é, um instrumento utilizado para imprimir trabalhos, desenhos, atividades e por aí vai… Esse aparelho foi uma das primeiras “impressoras” do meio educacional e, por isso, ficou tão conhecido já que era comum se deparar com um desses na sala de aula em dia de prova.

Esse sistema de impressão consiste em cópias de papel escrito em grande escala, com a utilização de alguns itens como papel sulfite, uma mesa de apoio, álcool, estêncil, scanner de texto e molha dedo. Deu para perceber que o mimeógrafo exigia um aparato grande, né?

Mas a sua utilização é bem simples, na verdade. Para fazer uma impressão utilizando o mimeógrafo é preciso posicionar a página a copiar sobre o papel estêncil e traçar-se por cima os contornos dos caracteres, depois basta colocar o estêncil no mimeógrafo com folhas em branco e girar a manivela. Aí é só esperar que a folha vai sair impressa do outro lado com um cheiro muito bom!

Inclusive, hoje em dia, quando se fala em mimeógrafo muitas pessoas lembram do cheiro desse instrumento. É um momento de nostalgia quase instantâneo. Por conta do álcool, as impressões vinham com um cheirinho muito bom que ficou marcado na cabeça de muita gente! Se isso não é da sua época pergunte para os seus pais!

Mimeógrafo na história

Mesmo com algumas controvérsias sobre o assunto, acredita-se que o mimeógrafo foi patenteado em 8 de agosto de 1887, por Thomas Alva Edison, nos Estados Unidos.

Vale acrescentar que, apesar da fotocopiadora, que é originalmente a sucessora do mimeógrafo, ter surgido em 1938, seu alto custo fez com que o mimeógrafo continuasse em funcionamento por mais alguns anos. Inclusive, até hoje, em alguns lugares, esse equipamento ainda é utilizado. Nesse caso, nada melhor do que descobrir o que tem dentro do mimeógrafo.

O que tem dentro do mimeógrafo

Antes de começarmos a desmontar o avô da impressora e descobrir o que tem dentro do mimeógrafo, é interessante observar que ele possui três controles na parte externa. Um serve para informar a quantidade de álcool que ele vai mandar para a folha, outro serve para instruir a pressão que vai ser colocada sob o papel, e o último tem a finalidade de indicar quantas cópias foram feitas.

Ao tirarmos aquela estrutura de cima, conseguimos notar vários pontos interessantes: o mimeógrafo conta com uma alavanca, um cilindro, um disco, algumas molinhas, chapas de alumínio e um certo tipo de “gatilho”.

E sabe o que tem dentro do mimeógrafo também? Muita poeira e história! Levando em conta que esse instrumento passou por várias gerações e pouco mudou sua estrutura, podemos dizer que o avô da impressora envelheceu bem.

Para conferir cada detalhe do mimeógrafo, não deixe de assistir o vídeo na íntegra. Ah, compartilhe também com aquele amigo que pedia para a professora se ele podia imprimir alguma coisa no mimeógrafo ou, até mesmo, para aquele que nunca viu um desses!

Deixe seu comentário

Artigo anteriorProcesso seletivo Manual do Mundo: Trabalhe conosco!
Próximo artigoProjeto BioStretch desenvolve bioplástico de resíduos industriais