4 FURADEIRAS que NÃO USAM ELETRICIDADE!

publicidade

Por mais clichê que pareça falar sobre isso, desde que o mundo é mundo, temos construções e invenções imponentes. No entanto, você já se questionou alguma vez como determinadas criações foram executadas tendo em vista que no passado não existia energia elétrica – que é a mais utilizada por nós atualmente para fazermos, basicamente, tudo do dia a dia? Nesse caso, é certo dizer que outros mecanismos eram utilizados para fazer esses serviços, como as furadeiras que não usam eletricidade e a gente te mostra agora:

publicidade

Vale ressaltar que, no passado, várias técnicas eram utilizadas. Levando isso em consideração, separamos quatro modelos que se encaixam na categoria “furadeira primitiva” para realizar esse vídeo.

Furadeira primitiva de corda

Para construir uma das inúmeras furadeiras que não usam eletricidade, que é a de corda, foram utilizados alguns materiais como um cabo de vassoura, uma corda, uma ripa de madeira com um buraco feito no meio e uma madeira em círculo também com buraco no meio.

O primeiro passo para fazer uma furadeira de corda é cerrar o cabo de vassoura em, mais ou menos, 90cm. Depois, o mandril deve ser feito em uma das extremidades do cabo de vassoura, já é ali que vai ser encaixada a broca. Para isso, basta fazer um corte de mais ou menos 5cm de profundidade e girar o cabo em 90° e fazer outra da mesma forma. O resultado vai ser um corte em formato de x.

Assim que essa etapa for finalizada, é necessário fazer uma espécie de “pescoço” no cabo de vassoura. Isso é preciso para que a madeira fique mais flexível na hora de encaixar a broca.

Na outra ponta do cabo de vassoura vai ser preciso fazer um furo, mais ou menos, oval, já que ali vai ser passado uma corda duas vezes.

Só então é que as peças vão começar a se completar e formar uma furadeira primitiva: na ponta do cabo de vassoura que foi feito o mandril, vai ser encaixado o pedaço da madeira com o formato de círculo. A outra madeira também vai ter um furo maior ao centro e dois menores nas extremidades. Ela vai ser encaixada nesse momento em cima da madeira redonda.

Em seguida, já é hora de amarrar a corda em uma das pontas da madeira, passar duas vezes a corda pelo cabo de vassoura e amarrar esse item na outra ponta da madeira. Ficou confuso? Calma que é só ter atenção.

Depois de tudo finalizado, é hora de pegar uma broca, colocar na extremidade indicada e amarrar com força para que ela não solte. Aí é só sair furando as coisas porque a furadeira primitiva de cabo de vassoura e de corda já vai estar pronta!

Ela vai ficar parecendo uma vela de um barco, e para utilizá-la basta girar a madeira com a broca, claro. A corda que foi presa nesta peça vai se enrolar conforme o movimento de rotação é feito e, assim, vai ser possível chegar ao furo desejado.

Furadeiras que não usam eletricidade

Como apontado anteriormente, antes de existir energia elétrica, algumas técnicas eram utilizadas para conseguir fazer as construções e invenções da época. Um exemplo dentre tantas furadeiras que não usam eletricidade, é a verruma manual. Ela parece uma broca, mas tem um cabo na ponta para que seja possível segurar essa peça e rodar. Assim que o furo é feito.

Outro exemplo de furadeira primitiva é o arco de pua. Ele consiste numa armação de madeira ou aço de formato característico, com local apropriado para prender a broca. O que é interessante nessa ferramenta é que a broca dela também se parece com uma verruma. Para furar, assim com as demais, basta encaixar a broca no local que deseja conseguir o furo e, posteriormente, girar.

Por último, mas não menos importante, existe também a furadeira alemã que no passado era muito utilizada. Uma das vantagens dessa ferramenta é que, enquanto você gira a manivela apenas uma vez, a broca gira várias vezes na ponta.

Agora que você descobriu como faz na prática uma furadeira que dispensa energia elétrica, não esqueça de compartilhar com aquele seu amigo que adora fazer os projetos do Manual do Mundo.

Deixe seu comentário

Artigo anteriorEstudo aponta se brasileiros são jovens politizados
Próximo artigoAlternativa aos agroquímicos: projeto busca controlar doenças e inibir danos a saúde