OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO CASEIRO? #Boravê

publicidade

É possível ter um observatório astronômico caseiro? As viagens espaciais estão no radar dos seres humanos há algum tempo. Visitar outros planetas, ver a Terra do espaço, pisar na lua… a lista é grande de coisas para fazer fora do planeta. Mas, enquanto ainda estamos por aqui, admirar tudo aquilo que está acima de nós, no caso o céu, as estrelas, a Lua e os outros planetas, bem de pertinho, é uma experiência e tanto. E é exatamente isso que vamos mostrar! Boravê?

publicidade

Observatório astronômico caseiro

Já pensou que máximo seria ter um observatório astronômico caseiro? Isso foi exatamente o que o químico industrial Geovandro Nobre, morador de Manaus, no Amazonas, fez! Por ser apaixonado por astronomia, ele resolveu construir e tocar o OARU – Observatório Astronômico Rei do Universo. O projeto serve para que ele possa fazer divulgação científica no YouTube.

Para fazer as observações, o teto do local precisa ser removido. Durante a construção do projeto, o químico industrial projetou um teto deslizante, que é um modelo bem comum usado em observatórios amadores. Essa construção é possível porque a estrutura do telhado fica sob trilhos e pode correr para fora da sala, deixando o local completamente “sem teto”.

Estrutura do telescópio

E o observatório astronômico caseiro, claro, faz todo esse sucesso porque ele tem uma estrela tão chamativa quanto as que ficam no céu – que é o telescópio. Se trata de um telescópio newtoniano, que usa espelhos para captar as luzes que vêm do céu. O espelho principal tem, mais ou menos, 20 centímetros de diâmetro.

Para garantir uma boa estrutura e se certificar de que nada vai tremer, o telescópio fica montado em cima de um pilar. No entanto, como todos os objetos do céu estão em movimento, na hora da observação o telescópio precisa seguir os astros. Para isso, existe todo um sistema automático que controla alguns motores para ir virando o telescópio.

O nome dessa montagem é conhecido como equatorial. Ela tem dois eixos: o eixo de declinação, que faz a mira norte e sul, e o eixo de ascensão reta, que acompanha a rota leste e oeste dos movimentos.

O controle de onde mirar o telescópio é feito por um programa chamado Stellarium. Ele é, basicamente, um planetário virtual e funciona como um simulador de céu. Ao utilizar esse programa ele sabe a sua localização e, com isso, analisando a data, ele consegue reproduzir exatamente o que é possível ver no céu.

Astrofotografia

O principal foco do observatório astronômico caseiro feito pelo químico industrial é a divulgação de ciências. E para conseguir fazer isso, ele utiliza a astrofotografia. Nesse caso, as câmeras que ficam no telescópio têm uma função extremamente importante que é para funcionar como se fosse os olhos de alguma pessoa que está observando.

Para conseguir bons resultados fotográficos, são utilizadas duas câmeras: uma DSRL e uma câmera planetária. Depois, é feita uma seleção para que essas fotos sejam exibidas.

Mas será que é possível ver alguma pegada humana na lua ou então alguma bandeira esquecida lá em cima na época da corrida espacial? Para saber essas respostas e muitas outras, basta assistir ao vídeo na íntegra. Ah, e agora que você chegou até aqui, não esqueça de compartilhar com aquele seu amigo que também adora astronomia.

Deixe seu comentário

Artigo anteriorGÊMEOS DIGITAIS: as CÓPIAS do MUNDO REAL
Próximo artigoO PÁSSARO que BEBE ÁGUA para SEMPRE