MOSCA SEM ASA? Veja a COMIDA SECRETA dos ANFÍBIOS

publicidade

Você já ouviu falar em mosca sem asa? Isso pode até parecer um pouco estranho, mas, na verdade, é uma baita curiosidade e a gente vai te provar isso no episódio de estreia da nova série do Manual do Mundo, que se chama Caçadora de Curiosidades.

publicidade

Caçadora de Curiosidades em: mosca sem asa

A ideia desse novo quadro que acaba de ser lançado é buscar curiosidades em lugares que qualquer um pode visitar. Afinal de contas, informação e novidade andam sempre juntas, não é mesmo?

No episódio de estreia dessa nova empreitada, fomos até o Parque Zoológico de São Paulo, localizado na zona sul da cidade de São Paulo, e descobrimos muitas, mais muitas, muitas curiosidades que temos certeza que você nem imagina.

Vale lembrar que a região onde fica situado o Zoológico é a maior reserva de Mata Atlântica da região metropolitana da cidade de São Paulo. Além disso, o local é um lugar seguro, tem área para descansar, fazer piquenique e relaxar.

Durante o passeio, os visitantes conseguem aprender sobre vários animais: elefante, girafa, leão, zebra, tigre, arara, macaco… e por aí vai. Como são mais ou menos 2000 animais, tem bicho para tudo quanto é gosto. Fale se não é o lugar perfeito para estrear uma série sobre curiosidades?

Sapos, pererecas e rãs

Para começar essa aventura fomos visitar nada mais nada menos do que alguns anfíbios bem conhecidos por aí: os sapos, as pererecas e as rãs. E como esse aqui é um espaço de curiosidade para ganhar conhecimento, você sabe dizer qual a diferença entre esses animais?

Basicamente, um jeito para conseguirmos diferenciar um do outro é olhando as patinhas. O sapo tem as patas curtas, bem divididas; já as rãs, que ficam muito mais na água do que os sapos, têm uma membrana entre patas, como se estivessem usando um pé de pato; e as pererecas têm discos adesivos, que lembram muito uma ventosa, nas pontas dos dedos, que elas usam para escalar folhas e plantas. Sabia dessa?

Além disso, ainda falando sobre esses anfíbios, o Zoológico de São Paulo conta com uma espécie chamada Perereca-de-Alcatrazes, que só é encontrada no litoral paulista e, infelizmente, está na lista de animais ameaçados de extinção.

No entanto, uma boa notícia é que o zoo é a única instituição no mundo que consegue com que essa perereca brasileira se reproduza em cativeiro. Essa conservação é possível porque as Perereca-de-Alcatrazes se reproduzem em uma planta chamada bromélia e o local consegue montar uma estrutura adequada para essa espécie.

Mosca sem asa?

Além de toda essa estrutura física, montada para cada animal à sua maneira, o cardápio também é fundamental para garantir a saúde e o bem-estar de cada espécie.

Quando esses animais estão soltos na natureza, eles utilizam suas inúmeras habilidades para conseguir se proteger e também se alimentar. Mas, no zoológico, as coisas não funcionam dessa forma.

Nesse caso, para garantir uma boa estrutura para esses animais, foi criada uma espécie de mosca sem asa! Isso mesmo, você não entendeu errado, essas moscas não voam.

Essas moscas são criadas em copos e esses ambientes contam com alguns elementos para garantir a procriação dessa espécie como alimento, palha e filtro de café. Após essa estrutura ser montada, o copo recebe algumas moscas adultas para elas começarem outra criação de moscas: colocam os ovos, que viram larvas, pupa e depois moscas.

E a maior curiosidade de todas vocês descobrem agora: essas moscas foram modificadas geneticamente. Isso porque, elas não têm asas, e, caso tivessem, poderiam voar para longe das pererecas e, nesse caso, elas ficam morrendo de fome.

Como na natureza a perereca pode subir nas plantas, pular para lá e pra cá, ela consegue capturar o seu alimento, mas no aquário isso não é possível. Então, as moscas foram criadas para servir de alimento para outra espécie.

Agora que você descobriu um monte de novas curiosidades, não esqueça de compartilhar esse vídeo com algum amigo ou familiar que ama ir ao zoológico, mas não tinha ideia de tudo isso!

Visite você o zoo

Para quem ficou curioso e quer conhecer o zoo, fica aqui alguns lembretes: alunos do Ensino Fundamental I da Rede Pública Estadual, crianças com até 5 anos, pessoas com deficiência, se tiverem com a carteirinha, não pagam. Já idosos, crianças de 6 a 12 anos, estudantes, professores, diretores, funcionários que estão lá no quadro de apoio das escolas da rede pública Municipal e Estadual, pagam meia entrada.

Além disso, outra opção para quem quer conhecer o zoo é fazer um passeio online. Isso mesmo! São mais de 250 espécies que vivem no local e estão prontos para te conhecer virtualmente.

Deixe seu comentário

Artigo anteriorComo é FEITO o HANDPAN? #Boravê
Próximo artigoPerereca-de-Alcatrazes: Zoo de SP é único lugar a reproduzir espécie ameaçada de extinção