Dia do Estudante: YouTubers relembram momentos da vida escolar

publicidade

O Dia do Estudante é comemorado no Brasil dia 11 de agosto. Essa celebração acontece no País desde 1927 e a data foi sugerida devido a uma homenagem aos cem anos de fundação dos dois primeiros cursos de ciências jurídicas do Brasil.

publicidade

Segundo documentações históricas, em 11 de agosto de 1827, o então imperador Dom Pedro I autorizou a criação de duas instituições: a Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em Olinda, no Pernambuco, e a Faculdade de Direito do Largo do São Francisco (USP), em São Paulo.

dia-do-estudante
No Dia do Estudante, veja os relatos de alguns YouTubers | iStock

União Nacional dos Estudantes

Além disso, com a Revolução de 1930, inúmeros estudantes passaram a atuar firmemente em organizações como a Juventude Comunista e a Juventude Integralista. A politização fez com que os jovens buscassem formar uma única entidade representativa que defendesse o ensino brasileiro.

Assim sendo, dez anos depois da primeira celebração do Dia do Estudante, em 11 de agosto de 1937, na Casa do Estudante do Brasil, localizada no Rio de Janeiro, o Conselho Nacional de Estudantes criou a entidade representativa que almejavam e a batizaram de União Nacional dos Estudantes (UNE).

Ensino superior no Brasil

Vale pontuar que a primeira instituição de ensino superior do País foi a Escola de Cirurgia da Bahia, criada em 1808, com a chegada da família real portuguesa ao país.

No entanto, a universidade mais antiga do Brasil é a Universidade Federal de Manaus, fundada em 1909. Isso porque, naquela época já havia algumas instituições de ensino superior no País, mas nenhuma era considerada universidade porque para adquirir esse título era necessário contar com um número considerável de cursos, se adequar dentro de um estatuto e ter seus documentos em dia com esse regulamento.

A vida do estudante brasileiro

Apesar da data criada para celebrar o Dia do Estudante no Brasil, a realidade dessa categoria ainda está longe de ser o ideal.

Segundo um relatório divulgado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) sobre a situação educacional de países que participaram do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA) – estudo comparativo internacional realizado a cada três anos que utiliza dados de 79 países – o Brasil sobressai aos países participantes em inúmeros pontos negativos.

De acordo com o levantamento, o País oferece, em média, apenas um computador para cada quatro estudantes nas instituições de ensino, possui uma alta desigualdade entre escolas públicas e privadas e conta com um alto índice de alunos que reprovaram ao menos uma vez antes de completarem 15 anos.

Mercado de trabalho 

A educação se mostra fundamental para preparar a população para entrar no mercado de trabalho. Tendo como exemplo o YouTube, a plataforma é um meio que, cada vez mais, vem crescendo e exige um olhar mais atento e profissional.

De acordo com um levantamento feito pela Hubspot, nos Estados Unidos, os usuários consomem mais de 1 bilhão de horas de vídeos no YouTube todos os dias, no mundo todo.

O Brasil é um dos países que mais utiliza a plataforma, reunindo cerca de 105 milhões de usuários mensais. Além disso, o País fica atrás apenas dos Estados Unidos em horas assistidas no YouTube, segundo uma pesquisa divulgada pelo Google Brasil.

Dia do Estudante: aprendizados e lições

Levando isso em consideração, em comemoração ao Dia do Estudante e a presença do YouTube no cotidiano de inúmeros brasileiros, reunimos alguns relatos de profissionais do ramo de quando ainda eram estudantes. Confira:

Antonio Tabet
(Um dos criadores dos canais Desimpedidos e Porta dos Fundos)
“O que mais me marcou na vida escolar foram as descobertas e a amizade duradoura. O ensino, para mim, são como novos afluentes que guiam o rio da sua vida. Parece ditado de kung fu, mas é verdade (risos). Graças à escola que decidi trabalhar com roteiros. Um bom professor pode mudar sua vida e fazer você descobrir talentos que nunca imaginou ter.”

Eduardo Bueno
(Criador do Canal Buenas Ideias)
“Isso pode não parecer uma resposta muito auspiciosa, mas o que mais me marcou nos tempos de estudante, especialmente no colégio, antes de entrar na faculdade, foi que eu percebi que apesar de todo o meu amor pela história, ela estava trancafiada, tendo sido transformada em uma sequência tediosa de datas vazias e nomes solenes. Aquilo me exasperou, me perturbou e eu comecei a achar que eu era um homem com uma missão: libertar a história das garras do colégio. E isso é uma promessa que eu fiz para mim mesmo e que eu cumpri. Já na faculdade, duas coisas me marcaram: a primeira é que é impossível você ensinar uma pessoa a ser jornalista, porque não se aprende a ser jornalista em uma faculdade, e a segunda é que, no primeiro dia de aula, quando eu entrei na faculdade, fui no diretório acadêmico e tinha uma frase escrita na parede “Se Deus existe, é problema dele”. E embora a faculdade não tenha me ensinado a ser jornalista, pelo menos me ensinaram a continuar sendo um rebelde contestador e com uma pitada de anarquismo – coisas que eu também mantenho até hoje. Nesse caso, tanto a escola quanto a faculdade me ensinaram pelo lado avesso.”

dia-do-estudante
Eduardo Bueno é criador do Canal Buenas Ideias | Divulgação

Felipe Castanhari
(Criador do Canal Nostalgia)
“Eu tenho marcado na minha memória até hoje uma aula que eu tive sobre Ditadura Militar. Foi um professor substituto que deu essa aula. Ele chegou na sala e pediu para todos os alunos mudarem a organização das cadeiras e formarem um círculo para que ele pudesse ficar no centro e todo mundo envolta. Ali ele deu uma aula sobre como eram as torturas e que tipos de torturas eram feitas na época da Ditadura com pessoas que eram consideradas inimigas do governo. Isso foi algo que ficou muito marcado na minha cabeça. Eu cheguei a falar para ele quando eu me formei que aquela aula tinha sido importante para mim. Eu lembro dele explicar todos os horrores e absurdos em detalhes. Além dele explicar, de dar uma aula sobre a temática, também foi uma aula sobre humanismo, sobre até onde um governo opressor pode ir e como isso é perigoso. Ele mostrou como as pessoas sofreram naquela época e como a gente não pode deixar, de nenhuma forma, isso acontecer novamente.”

dia-do-estudante
Felipe Castanhari
Criador do Canal Nostalgia | Divulgação

Leon Martins
(Coisa de Nerd)
“Eu acho que a coisa que mais me beneficia hoje, do que eu trouxe da época da faculdade, é a metodologia científica. Eu tive várias cadeiras obrigatórias sobre o assunto e isso acaba me ajudando a entender várias coisas sobre a realidade do mundo e sobre o processo de formação do conhecimento científico. Depois, na pós-graduação, eu fiz algumas matérias de filosofia da ciência e isso me ajudou ainda mais a entender as coisas. Mas não é só isso! O principal disso tudo, eu acho, é o entendimento de como você consegue aprender. Acho que tanto na escola, quanto na faculdade, o principal conhecimento que você adquire e carrega para vida é como aprender as coisas. Isso se intensifica principalmente na faculdade porque você tem que se desdobrar sobre um tema só. Por exemplo, se uma pessoa vai seguir a vida acadêmica ela entra em uma temática que vai levar para vida ou se ela está fazendo monografia ela precisa se debruçar sobre um tema e seguir o rigor do método. Eu acho que isso é o mais importante: aprender como se aprende. Além disso, isso te ensina a valorizar as pessoas que sabem, porque assim você se dá conta do esforço e do processo necessário para a aquisição de conhecimento. Isso são as principais coisas que vou levar para a vida, independente dos campos de atuação que eu decidir seguir. Acho que isso não me abandona nunca.”

dia-do-estudante
Leon Martins é um dos fundadores do Coisa de Nerd | Divulgação

Maíra Medeiros
(Criadora do Nunca Te Pedi Nada)
“Eu já fui professora e tenho muita ligação com o ensino. Eu acho a educação uma coisa incrível e se tem algo que eu vou sempre fazer na minha vida vai ser estudar e aprender alguma coisa. Porque o que me move no mundo é conhecer coisas novas. Eu sou muito curiosa e o aprendizado e a curiosidade estão sempre de mãos dadas. Uma coisa que eu aprendi é que tudo aquilo que a gente estuda, de certa forma, vai ser útil para você em algum momento. Não necessariamente você vá trabalhar com aquilo, mas isso pode ser um extra, uma coisa que vai te agregar em algum momento. Eu gosto muito de me deixar levar pela curiosidade para sempre aprender. Em determinados momentos, me pego pensando nos tempos de escola que eu fui muito curiosa e me lembro até hoje. Por exemplo, joaninha são coleópteros e a mitocôndria faz a respiração celular. Isso são duas coisas aleatórias de biologia e que ficou muito guardado na minha cabeça porque na época eu gostei muito dos meus professores e eu me apeguei muito à temática. E isso foi uma coisa que eu curti tanto conhecer, que hoje em dia faz parte de mim. Quando algo me cativa eu nunca esqueço.”

dia-do-estudante
Maíra Medeiros é criadora do Nunca Te Pedi Nada | Divulgação

Mari Fulfaro
(Cocriadora do Manual do Mundo)
“O que mais me marcou durante a minha vida acadêmica é que não existe fórmula mágica para nada. Eu acredito que quando você realmente quer algo, você precisa se esforçar muito. Quando eu estava prestando vestibular precisei sentar na cadeira e estudar muito. Definitivamente, não existe almoço grátis!”

dia-do-estudante
Mari Fulfaro criou o Manual do Mundo com o seu marido, Iberê Thenório, há 13 anos | Felipe Reis

Mederi Corumbá
(Criador do Galo Frito, do 5 Alguma Coisa e do canal Mederi Show)
“Uma coisa que aprendi na faculdade de publicidade e propaganda que me marcou, foi como fazer um roteiro para produção e tudo envolvido nas produções de vídeo. Sem esse conhecimento básico, talvez nunca teria criado meus canais do Youtube. Esse conhecimento foi essencial para poder criar minha produtora de vídeos.”

dia-do-estudante
Mederi Corumbá é o criador do Galo Frito | Divulgação
Deixe seu comentário

Artigo anteriorROBÔ que ENFILEIRA DOMINÓ: Funciona mesmo?
Próximo artigoGrupo estuda a possibilidade de usar ventos solares para produzir energia