RELÓGIO para CORRIDA de POMBOS? Hora de ver!

publicidade

Seja pelo Sol, na parede, no pulso, no celular, analógico, digital, com números romanos ou sem números: os relógios estão presentes na nossa vida há muito tempo. Mas, claro, ao longo dos anos, conforme as civilizações foram se desenvolvendo e criando novas tecnologias, eles também acompanharam a modernização. E com tantas opções de instrumentos para “ver o tempo passar”, nada melhor do que visitar o Museu do Relógio e se surpreender com tantas relíquias.

publicidade

Museu do Relógio

Para quem procura dicas de passeio em São Paulo, o Museu do Relógio Professor Dimas de Melo Pimenta, localizado na Vila Leopoldina, é uma opção e tanto. Isso porque, o museu é temático e dedicado a mostrar a evolução histórica e técnica do relógio no decorrer do tempo.

O objetivo deste museu em São Paulo é mostrar e focar nos diversos tipos e modelos de relógios usados pelo homem para contar a passagem do tempo. Além disso, o local também busca enfatizar a importância do tempo cronológico para a Meteorologia, em que, sem ela, a ciência não seria capaz de elaborar previsões de tempo em nenhum lugar. Curioso como as coisas se complementam, não é?

Para quem não sabe o que fazer em São Paulo ou ainda não conhece o museu mas ficou super interessado, fica aqui o serviço desse vídeo: o museu abre todos os dias da semana e sempre tem visita guiada – o que facilita e muito o aprendizado.

Para fazer uma visita no local, basta agendar. Outro ponto de destaque é o museu é um local de passeio gratuito em São Paulo. Ou seja, não tem desculpa para não visitar o museu.

Vale destacar que o Museu do Relógio conta com inúmeras peças. Na verdade, são relíquias que merecem e muito ser admiradas e estudadas.

Relógio automático

E em falar em relíquias que devem ser admiradas, porque não destacar o relógio automático que funciona sem bateria e muita gente já viu mas não faz ideia de como funciona, na prática, essa belezinha.

Claro que o Museu do Relógio também conta com um relógio automático que funciona sem bateria no acervo para chamar de seu. Mas, afinal, como funciona esse aparelho?

Dentro desse relógio existe um pêndulo que é movimentado conforme a gente movimenta o nosso punho. A partir dessa ação, o pêndulo vai gerando energia que é mandada para uma mola que está dentro do maquinário do relógio.

Essa mola consegue armazenar energia por algumas horas. Mas, depois que essas horas se esgotam, se o relógio estiver parado e/ou fora do punho, ele vai parar de funcionar. Para fazer com que o relógio volte a funcionar novamente, basta colocá-lo no pulso, acertar a hora e movimentá-lo.

Relógio de pombo

Que? Como? Onde? Por que? Relógio de Pombo? Sim, é isso mesmo que vocês acabaram de ouvir: nós caçamos e encontramos um relógio de pombo no Museu do Relógio. E se você está se perguntando qual o nexo disso, calma que a gente já te explica!

E para sermos mais precisos, entramos dois relógios de pombos! Um dos que encontramos é um exemplar de, mais ou menos, 1920 e o outro de 1950.

E por que existe um relógio de pombo? Contextualizando, existe um esporte chamado Columbofilia com competidores no mundo inteiro. Segundo informações privilegiadas colhidas pela nossa equipe, alguns desses pombos garanhões/ vitoriosos chegam a custar 10 milhões de reais.

Mas como funciona esse esporte? Tudo começa no pombal, que é onde você treina e cuida dos seus pombos. Então, quando chega a época da corrida/ competição, os pombos são soltos em um determinado lugar e o objetivo é que eles voltem para as suas devidas casas.

Assim que esse pombo chega, os donos retiram uma anilha das patinhas deles e colocam dentro do relógio. Conforme essas anilhas vão entrando dentro do relógio, ele vai marcando o horário que o pombo chegou. Quando esse relógio completa o número de anilhas que ele aguenta, um fiscal imprime um papel que vai ter o horário de chegada do pombo e o nome/ código desse animal. Desse modo, é possível saber em quanto tempo o pombo fez aquela viagem.

Hoje em dia, claro, essa competição está um pouco mais diferente e a tecnologia facilita um tanto quanto essa modalidade.

Agora, assista o vídeo na íntegra para conhecer e admirar algumas das relíquias do Museu do Relógio. Já que chegou até aqui, não esqueça também de compartilhar esse vídeo com aquele seu amigo que vive perdendo a hora!

Deixe seu comentário

Artigo anterior“AstroTubers”: os estudantes fascinados pela divulgação científica
Próximo artigoEstudantes criam fórmula para auxiliar a cicatrização de úlceras cutâneas em pacientes diabéticos