Plástico biodegradável: projeto busca produzir material a partir resíduos agroindustriais

publicidade

No nosso cotidiano, é comum se deparar com a presença do plástico em muitos produtos. Ao fazer essa percepção é possível notar também há má gestão dos resíduos gerados por eles. No entanto, toda essa análise pode levar a um ponto interessante: a produção de um plástico biodegradável.

publicidade

Plástico sustentável 

Foi partindo desse princípio que uma estudante resolveu desenvolver um projeto que focasse na produção de um plástico biodegradável a partir de de resíduos agroindustriais.

O trabalho tem o intuito de reutilizar resíduos do processamento do arroz e do amendoim para o cultivo da celulose bacteriana, um material biodegradável, atóxico e extremamente versátil que possui inúmeras aplicações.

Quer conferir mais sobre o projeto? Leia o artigo produzido pelo grupo a seguir:

plástico-biodegradável
Filme plástico de celulose bacteriana | Divulgação

“Filme plástico biodegradável”

*Por Giovana Bachmann da Silva
*Coordenado por Cláudia Schneider e Sheilla Bonetti

O projeto intitulado “Filme plástico biodegradável produzido através da biossíntese de celulose bacteriana a partir de resíduos agroindustriais” de autoria de Giovana Bachmann da Silva e sob orientação da professora Cláudia Schneider e da professora Sheilla Bonetti, conquistou o 2° lugar na categoria Ciências Biológicas na Febrace 2021.

O projeto tem o intuito de reutilizar resíduos do processamento do arroz e do amendoim para o cultivo da celulose bacteriana, um material biodegradável, atóxico e extremamente versátil que possui inúmeras aplicações.

A ideia surgiu a partir da identificação de dois problemas existentes. Primeiramente, pode-se citar a ampla presença do plástico em produtos do nosso cotidiano que associada à má gestão dos resíduos, têm contribuído para uma poluição sem precedentes no meio ambiente.Tais resíduos caracterizam-se por resistirem longos períodos de tempo e serem compostos por substâncias tóxicas.

Além disso, outro descarte inadequado que também acarreta em problemas ambientais é o de resíduos agroindustriais, visto que a economia brasileira é fortemente agrícola. O Brasil é o maior produtor, fora da Ásia, de arroz do mundo, desse total 22% representa a casca. O amendoim também possui uma produção expressiva no país, visto que na safra de 2019/2020 foram produzidas cerca de 422.200 mil toneladas de amendoim, gerando uma grande quantidade de resíduos orgânicos. Nesse sentido, a pesquisa busca agregar valor a estes substratos ao aproveitá-los para a fermentação microbiana na produção de um material ecologicamente sustentável.

A pesquisa foi conduzida totalmente em ambiente doméstico, por conta disso, os principais desafios enfrentados foram referentes à falta de equipamentos para triturar os resíduos e a impossibilidade de controlar alguns fatores como o pH e a temperatura que são essenciais para o cultivo adequado da celulose bacteriana. No entanto, mesmo com algumas limitações, foi possível obter um material resistente de aparência e textura similar aos plásticos convencionais.

Para a jovem cientista Giovana Bachmann participar da Febrace foi uma experiência muito enriquecedora e impactante. “Ter a chance de participar de eventos científicos como esse é uma grande oportunidade de ampliar a minha visão de mundo, me conectar com jovens cientistas de todo o Brasil e de perceber que mesmo ainda bastante jovem posso contribuir de alguma forma com a sociedade”. Por fim, para aqueles que gostariam de participar de feiras de ciências, Giovana deixa três dicas para tirar o maior proveito dessa oportunidade:
– não tenha medo de sair da sua zona de conforto, tudo é uma grande oportunidade de aprendizado;
– faça conexões, aproveite este momento para aprender com todas as pessoas incríveis que você irá conhecer;
– demonstre paixão pela sua pesquisa ao se apresentar para os avaliadores.

A pesquisa é um grande instrumento na construção do conhecimento, é uma ferramenta de extrema importância para a transformação da sociedade que busca soluções para melhorar a qualidade de vida das pessoas e do meio ambiente. Desse modo, é inegável que a ciência deve ser valorizada e estimulada, pois é essencial para o desenvolvimento de um país.

*A divulgação desse artigo na íntegra é uma parceria entre o Manual do Mundo e a FEBRACE (Feira Brasileira de Ciências e Engenharia). Nós convidamos os ganhadores da feira para escrever artigos sobre os projetos que eles desenvolveram. Você pode conferir outros textos como esse aqui.*

Deixe seu comentário

Artigo anteriorLIMPEZA ULTRASSÔNICA funciona BEM? Nós testamos!
Próximo artigoPLÁSTICO que vira BLOCO que vira LOJA? #Boravê