Comunicadora, Pesquisadora, Professora

publicidade

Num momento da vida no qual estava desanimada a comunicadora Aline Ghilardi recebeu uma carta pelo correio. O momento era difícil, o reconhecimento pelo trabalho competente custava a chegar. Mas então as energias foram recarregadas. Eram palavras de carinho e suporte do Sir David Attenborough, um dos melhores comunicadores de ciência do mundo.

publicidade

A carta chegou após o Sir David tomar conhecimento do projeto Colecionadores de Ossos. Isso só foi possível pois o comunicador Tito Aureliano, parceiro nos projetos de comunicação com a Aline, havia mandado uma mensagem para ele, que afetuosamente retornou através da bem-vinda carta.

Hoje, quando a Aline desanima, é pra essa carta emoldurada na parede que ela olha, pra lembrar que o trabalho de comunicação de ciência é algo muito importante, e que é parte intrínseca da vida dela. É com essa história lindona que começamos a coluna de hoje.

Aline Ghilardi se aventurando em mais um trabalho de campo.

Carreira

Criadora e diretora original do projeto Colecionadores de Osso, Aline é bacharel e licenciada em Ciências Biológicas, mestre em Ecologia e doutora em Geologia. É também professora de Paleontologia, já atuou em Pernambuco e no momento trabalha lá na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, além de ser chefe do DINOlab. Lá eles pesquisam, por exemplo, como alguns dinossauros reagiam a doenças. Portanto indo a fundo na pesquisa das evidências paleontológicas.

Mas o trabalho começou desde pequenininha. Lá na infância produzia jornais sobre os achados da natureza no bairro onde morava. E saía distribuindo para os vizinhos, colocando por debaixo das portas. O trabalho então só se desenvolveu. Quando entrou na Universidade se envolveu com vários projetos de divulgação, e queria desenvolver ainda mais suas técnicas de comunicação.

E conseguiu. Enquanto estudava para o mestrado resolveu que iria compartilhar seus textos e estudos com os outros. Além de ajudá-la a estudar, ela também também percebeu que os leitores do seu blog curtiam tanto quanto ela.

Foi quando ela também começou a interagir mais com outros divulgadores. Percebeu também que comunicação era um trabalho, que tinha método, técnicas, e que poderia ser aprimorada. Buscou se formar nessa área, estudando o que podia, sistematizando as estratégias de comunicação. Conheceu, também na época, seu parceirão de jornada, o Tito Aureliano, e passaram a desenvolver ainda mais o blog, o Colecionadores de Ossos.

Aline Ghilardi e Tito Aureliano, parceria de afeto e sucesso.

Público Diverso

Uma das incríveis descobertas é de que uma grande parte do público deles é de crianças. Portanto a linguagem foi sendo adaptada, para acessar tanto as crianças quantos os pais delas também. E dentro desse grupo diverso de crianças existem também aquelas que apresentam alterações intelectuais ou de comportamento, para as quais a linguagem também tem que ser adaptada. E com tempo e muito trabalho eles estão se aprimorando.

O principal método é construir o conteúdo em camadas, desde as mais básicas, até as mais avançadas, todas num mesmo vídeo. Mesmo porque as crianças não gostam de ser subestimadas e a linguagem pode ser bastante sofisticada, caso elas queiram aprender ainda mais. Acessar todas essas pessoas, todas essas idades, todas essas paixões, é meta e está sendo atingida com sucesso.

Veja também

Terreno a ser ocupado

A Dra Aline reforça que diferentes divulgadores, diferentes canais, diferentes tamanhos de público, são essenciais para que todas as pessoas possam se sentir parte da divulgação. Existe muito espaço, portanto se você está animado para se tornar um comunicador, seja porque você quer se divertir, porque você acha que o conhecimento precisa ser expandido, não importa a razão, você tem que começar.

Olhe para o ambiente da divulgação, veja o que os outros comunicadores estão fazendo. Onde você se encaixaria? Como o seu trabalho poderia ser um complemento, como poderia ajudar toda a estrutura a ficar cada vez melhor e mais sofisticada? Encontrar o nicho que você pode ocupar, não só em relação ao assunto, mas também ao público, a periodicidade. 

O espaço é multidimensional. O ideal é atingir cada vez mais pessoas, incluindo aquelas que ainda não foram atingidas. Não importa a mídia, pode ser por jornal, por rádio, na praça, com a família. Tudo isso vai fazer com que você se sinta mais confortável, e vai tornar sua experiência algo menos pesado e mais desafiadora.

Diversificar sempre

E o Colecionadores de Ossos não pára. Atualmente o Tito Aureliano é quem toca a maioria dos projetos, abraçados pela Dino Hazard. Eles tem livro, jogo de videogame, modelos incríveis de dinossauros brasileiros. Enfim, eles não só pregam a diversidade como também colocam isso em prática todo dia. Não só pra atingir a todos, como também para tornar esse trabalho tão importante algo sustentável.

Aline Ghilardi, Tito Aureliano e o artista Hugo Cafasso olhando orgulhosos para um modelo, produzido por eles, de Carcharadontosauro

Ter todo esse público engajado, incluindo uma audiência neurodiversa, é algo de importância enorme para a sociedade. Talvez já tenha passado da hora de que empresas que podem investir em conhecimento invistam mais em projetos de comunicação e divulgação.

A divulgação, além de trazer um benefício incrível para a sociedade, pode ajudar o comunicador a se reerguer e se reconectar com a paixão por aprender e mergulhar cada vez mais no mundo do conhecimento. Todos ganham.

Que a Aline continue essa caminhada se aprimorando cada vez mais.

Obrigado por estar aqui. Fique bem e tchau.

Quer conhecer mais histórias inspiradoras de mulheres na ciência? Confira abaixo!

► Espalhando ideias
► Trazendo uma especialista para a conversa
► Comunicando História
► Da audiência para a exposição

 

Deixe seu comentário

Artigo anteriorComo é feito um POSTE DE RUA? #Boravê
Próximo artigoFizemos PLASMA dentro do nosso MICRO-ONDAS!
Licenciado em Ciências Biológicas e Mestre em Biologia Funcional pela Universidade de Campinas, trabalhei por mais de 13 anos como professor de Ciências e hoje trabalho com comunicação e divulgação de ciências, escrevendo roteiros, produzindo vídeos e fazendo o meu melhor para levar a comunicação científica para o conhecimento de todos. Ah, tenho um número circense no trapézio fixo, já desenvolvi blog, canal no Youtube e podcast. Co-fundei e co-dirijo o SVBR, selo para garantir a qualidade da divulgação científica no Youtube. Me orgulho de tudo.