Descubra como combater as pragas nas plantações

publicidade

O Brasil é um dos maiores consumidores de agrotóxicos do mundo. Mas, apesar disso, nos últimos 10 anos os episódios envolvendo pragas cresceram seis vezes nas plantações do País. Levando isso em consideração, como combater as pragas nas plantações?

publicidade

Como combater as pragas nas plantações

Essa indagação foi feita por um grupo de estudantes que percebeu que os agrotóxicos podem, a longo prazo, agravar o problema envolvendo as pragas.

Por conta disso, utilizando o livro: “A arte da Guerra”, o grupo procurou outros fatores que poderiam influenciar nessa guerra e encontrar outras maneiras de como combater as pragas nas plantações. 

Para isso, os estudantes desenvolveram um sistema de controle de temperatura móvel e descobriram que algumas plantas podem suportar temperaturas maiores que suas pragas e que uma vez submetidas a essas temperaturas, por um espaço curto de tempo, podem evitar a sua proliferação por criar um ambiente desfavorável a elas.

Quer conferir mais sobre o projeto e como combater as pragas nas plantações? Leia o artigo produzido pelo grupo a seguir:

“SMAP – Sistema Móvel Anti-Pragas”

*Por Maria Eduarda de Carvalho Fernandes, Bruna de Fátima Portela Nascimento e Caio Palhares Loseiro Braga
*Coordenado por Leonardo Veloso Ferreira de Oliveira

Somos uma equipe de Robótica e todos os anos participamos do TBR, Torneio Brasil de Robótica. Essa competição estimula que sejam encontradas soluções para os temas da UNESCO utilizando a tecnologia. No ano passado, o tema foi sobre Fitossanidade, ou seja, a saúde das plantas tendo como foco o combate das pragas. Em nossas pesquisas, verificamos que o Brasil passou a ser o maior consumidor de agrotóxicos do mundo em 2008. Mas, apesar desse aumento, por ironia, nos últimos 10 anos os episódios envolvendo pragas cresceram seis vezes nas plantações do país. Assim, percebemos que os agrotóxicos podem, a longo prazo, agravar o problema envolvendo as pragas. Assim, precisávamos encontrar urgentemente soluções para reduzir o uso desses produtos.

Utilizando o livro: “A arte da Guerra”. Procuramos outros fatores que poderiam influenciar essa guerra contra as pragas e encontramos a temperatura. Desenvolvemos um sistema de controle de temperatura móvel e descobrimos que algumas plantas podem suportar temperaturas maiores que suas pragas e que uma vez submetidas a essas temperaturas, por um espaço curto de tempo, podem evitar a sua proliferação por criar um ambiente desfavorável a elas.

Nosso maior desafio no projeto foi o logístico. Não podíamos nos encontrar devido ao covid nem comprar os materiais da pesquisa. Utilizamos sucata de outros projetos e materiais de casa. O projeto foi desenvolvido completamente de forma virtual, sem que nenhum que nós, estudantes e orientador, tivesse se encontrado fisicamente.

Participar da FEBRACE e publicar nosso trabalho para o Manual do Mundo foi um sonho para todos da equipe. Queríamos mostrar que, mesmo a partir de uma cidade do interior, em um momento de pandemia, é possível produzir ciência e encontrar soluções para tornar o mundo um lugar melhor. Por isso, a nossa dica para quem deseja participar da Febrace é realizar projetos utilizando a ciência, tentando tornar o mundo um lugar melhor. Nem que seja na sua cidade, bairro, rua, casa ou até apenas para uma pessoa. Mesmo em qualquer situação ou lugar. Não se preocupe com o resultado, porque de onde você parar outras pessoas poderão continuar o seu projeto o que tornará você direta ou indiretamente um colaborador para a solução do problema, inspirando outras pessoas a fazerem o mesmo, assim como as invenções do Manual do Mundo nos inspiraram para a realização do nosso projeto.

*A divulgação desse artigo na íntegra é uma parceria entre o Manual do Mundo e a FEBRACE (Feira Brasileira de Ciências e Engenharia). Nós convidamos os ganhadores da feira para escrever artigos sobre os projetos que eles desenvolveram. Você pode conferir outros textos como esse aqui.*

Deixe seu comentário

Artigo anteriorO CHÃO de VIDRO a 150 METROS de ALTURA
Próximo artigoCÂMERA que ENXERGA o CALOR: Aprenda a fazer