Cientistas amadores contribuem com estudos sobre cigarras periódicas

publicidade

Você já ouviu falar sobre as cigarras periódicas? São insetos que ficam debaixo da terra durante 13 a 17 anos. Quando emergem do solo, vivem apenas mais quatro a seis semanas, para acasalar, fertilizar ou colocar ovos e começar o ciclo novamente.

publicidade

cigarras periódicas

As cigarras periódicas se agrupam em 15 ninhadas com base em onde e em que anos surgem. Após os ovos postos nos galhos das árvores aparecerem, as ninfas caem e se enterram no solo. Lá, eles se alimentam do xilema das raízes das árvores.

As cigarras periódicas despertam tanta curiosidade que, no leste dos Estados Unidos, milhões de humanos estão mapeando e cronometrando seu surgimento em um aplicativo gratuito chamado Cicada Safari, lançado em 2019 por Gene Kritsky, entomologista da Universidade Mount St. Joseph. Até o momento, mais de 150 mil pessoas enviaram fotos de cigarras, ajudando os cientistas a rastrear seu surgimento.

Uma dessas pessoas é Michelle Watson, a aposentada que enviou mais fotos para o Cicada Safari do que qualquer outra pessoa. Ela conta que se tornou viciada em contribuir para a comunidade de entusiastas da cigarra. Watson, que recentemente se mudou para Blue Ridge, Geórgia, nunca tinha visto cigarras periódicas antes deste ano. Ao procurar informações online, ela encontrou o aplicativo.

Os cientistas amadores são muito importantes para esse tipo de estudo. Afinal, existem poucos pesquisadores focados em entender as particularidades das cigarras periódicas. Nos últimos anos, relatos dessas pessoas captaram a formação de novas populações, ajudaram a estudar a ligação entre emergência e temperatura do ar, além de obter informações sobre como as populações de cigarra respondem às situações que causam estresse.

Michael Raupp, entomologista da Universidade de Maryland, College Park, acredita que é possível que os dados do público ajudem a desvendar enigmas que ainda cercam cigarras, já que ainda não se sabe, por exemplo, o porquê os retardatários se separam das ninhadas.

É preciso compreender os fatores que influenciam o surgimento para proteger as cigarras de ameaças como pesticidas, por exemplo. Os relatórios do Cicada Safari devem ajudar, afirma Raupp, porque os pesquisadores podem cruzá-los com registros locais de uso da terra e clima.

Fonte: Science Magazine

Deixe seu comentário

Artigo anteriorCOMO usar CELULAR com LUVAS
Próximo artigoVeja um FORMIGUEIRO por DENTRO! #Boravê
Jornalista e produtora de conteúdo. Desde criança, amo escrever e refletir sobre diversos assuntos. Faço questão de estar imersa nas redes sociais (minha favorita é o Instagram), e séries e filmes têm sempre um espacinho reservado no meu tempo livre. Como uma boa fã de Friends, acredito que um pouco de descontração é fundamental para levar a vida da melhor forma possível.