“Ciência sem blá blá blá não é ciência”, diz criador de conteúdo científico

publicidade

Para muitos, ciência deve ser algo objetivo. Mas Emilio Garcia, um dos criadores do canal de ciência no Youtube BlaBlaLogia, prefere o debate. “Acho que ciência sem blá blá blá não é ciência. O próprio método científico prevê que haja discussão, correção por pares, replicabilidade e refutabilidade. A  ciência tem como princípio ser auto corrigível e isso só é possível com uma somatória de esforços, com diferentes olhares, sobre uma mesma questão”, completa.

publicidade

Quando se trata de conhecimento científico, é possível se reinventar? “BlaBlaLogia” é um dos canais de ciência no Youtube que mostram que sim. Isso porque o projeto, que foi criado com a ideia de ser colaborativo, hoje tem poucas pessoas por trás da produção dos conteúdos. Porém, manteve o objetivo de ser informativo, mas ao mesmo tempo leve e divertido.

Emilio Garcia BlaBlaLogia

“A ideia de ser um canal colaborativo realmente mudou. Muitos saíram para investir em seus projetos pessoais. Entretanto, o canal ainda tem o mesmo propósito: educação e divulgação científica para combater pseudociências”, conta Garcia, formado em ciências biológicas e mestre em ecologia. O profissional, que deu aulas para o ensino médio e superior durante 12 anos, mudou o rumo de sua carreira quando decidiu se dedicar exclusivamente à ciência no YouTube, com o “BlaBlaLogia”, em 2020. 

Além da apresentação dos vídeos, Garcia e sua esposa, Mila Massuda, gerenciam a parte comercial da empresa, os projetos e são responsáveis por todos os roteiros dos vídeos gravados. Atualmente, seis pessoas atuam na produção dos conteúdos do canal.

E o investimento tem rendido bons resultados: o “BlaBlaLogia” já conta com mais de 200 mil inscritos e vídeos que somam milhares de visualizações. Além disso, conquistou o selo SVBR, pertencente ao projeto Science Vlogs Brasil, que valoriza, une e divulga criadores de conteúdos confiáveis na plataforma. “Para nós, é mais do que um selo, é uma comunidade. Isso significa que você terá apoio para tornar seu conteúdo cada vez melhor”, comenta Garcia, que se sente honrado em fazer parte de tudo isso.

Ciência ao vivo no Youtube

Um grande destaque do “BlaBlaLogia” são as lives, que contam com convidados e interação por meio do bate-papo disponibilizado pela plataforma. “É como se recebêssemos todos os nossos seguidores em casa. Eles podem fazer perguntas que serão respondidas na hora. Isso é ótimo, porque a comunidade em torno dos divulgadores começa a crescer e, assim, podemos impulsionar outros divulgadores, outros canais”, explica Garcia. 

Com a chegada da pandemia e do isolamento social causado pela Covid-19, a necessidade de interação nas mídias sociais se tornou ainda mais evidente. “As pessoas estavam ainda mais sedentas por informação sobre tudo, mas principalmente sobre o novo coronavírus. Criamos a live “Notícias Científicas”, transmitida na hora do almoço. Em cada dia  da semana, uma área diferente: saúde, política nacional e internacional, meio ambiente, biotecnologia e finanças. O mais gostoso foi ver que estamos abraçando outras áreas e que o público tem gostado, como a psicologia e a filosofia”. 

Garcia acredita que o que mais atrai o público são assuntos quentes. Ou seja, falar sobre o que está acontecendo no momento, mas sem perder o embasamento científico. Que tal conhecer o canal, aprender muito sobre ciência e interagir com profissionais incríveis? Você pode ter acesso aos conteúdos clicando aqui.

Deixe seu comentário

Artigo anteriorProjeto desenvolve método que utiliza imagens digitais para realizar análises químicas
Próximo artigoComo é FEITA uma MAQUETE PROFISSIONAL #Boravê
Jornalista e produtora de conteúdo. Desde criança, amo escrever e refletir sobre diversos assuntos. Faço questão de estar imersa nas redes sociais (minha favorita é o Instagram), e séries e filmes têm sempre um espacinho reservado no meu tempo livre. Como uma boa fã de Friends, acredito que um pouco de descontração é fundamental para levar a vida da melhor forma possível.