“AstroTubers”: os estudantes fascinados pela divulgação científica

publicidade

Já te disseram que estudantes podem fazer a diferença? Por mais que o assunto seja clichê, os “AstroTubers” existem para provar que essa afirmação é a mais pura verdade! Afinal, são graduandos e pós-graduandos em física e astronomia de universidades de todo o Brasil, unidos para fazer divulgação científica divertida e de qualidade no Youtube.

publicidade

Atualmente, o canal já soma mais de 60 mil inscritos e possui o selo SVBR, pertencente ao projeto Science Vlogs Brasil, que valoriza e divulga criadores de conteúdos confiáveis na plataforma. Entre os vídeos de maior sucesso, estão os que tiram grandes dúvidas, como “Qual telescópio comprar?” e “Arco-íris: O que é e porque é curvo? O que tem no final?“. Além disso, o canal também conta com entrevistas, cobertura de eventos da área e muito mais.

Tudo é feito de forma colaborativa: já chegaram a ser 40 pessoas integrando os “AstroTubers”. Hoje são, em média, 6 ou 7 membros ativos. “O número de membros diminuiu, mas ficamos mais próximos, e é mais fácil nos reunirmos e tomarmos decisões”, conta o astrofísico Marcelo Soares Rubinho, que está presente desde a fundação do canal e contribui com tarefas variadas dentro do projeto.

O Início

Em uma reunião da Sociedade Astronômica Brasileira, os estudantes conversaram sobre o problema da falta de divulgação científica, além do pouco interesse da comunidade acadêmica em participar. Dessa forma, decidiram criar um canal com especialização em astronomia, que passou por muitas reuniões e debates até chegar ao formato atual.

Uma das profissionais que contribui com o projeto é Mirian Castejon Molina, professora e doutoranda em astrofísica pelo Instituto de Astronomia da USP, que além de gravar vídeos, é representante da comissão de redes sociais. “Quando vi meus colegas de pós-graduação organizando o canal, achei a ideia muito interessante, porém não entrei nesse primeiro momento. Há sempre aquela preocupação se daria conta ou não, visto que o doutorado e as monitorias que eu dava me tomavam muito tempo. Mas depois de um tempo, eu decidi entrar de vez. Isso foi em 2018”, explica.

AstroTubers

Vantagens e desvantagens 

Como é participar de um canal colaborativo? Mirian, particularmente, gosta muito, já que todos podem ficar satisfeitos com as funções e há como contar com especialistas de diversas áreas da astronomia. “O lado bom é que o trabalho pode ser dividido. Tem o pessoal que gosta de gravar vídeo, os que gostam de fazer a revisão dos roteiros, os que preferem cuidar das redes sociais, o pessoal que gosta de ir em eventos e os que gostam de lives”, exemplifica.

Rubinho acredita que, além desses fatores, outra grande vantagem é a facilidade de viralização do conteúdo. “O canal cresceu rápido graças a ajuda de todos, nossa divulgação inicial boca a boca nos ajudou muito”.

Para ambos, uma das maiores dificuldades é a falta de unanimidade em pontos de debate. “Acho que um lado mais trabalhoso que isso acarreta é que são muitas pessoas com opiniões divergentes às vezes, mas que no fim, nos entendemos”, conta Mirian.

Outro ponto é divulgar ciência on-line com linguagem acessível, que nem sempre é um trabalho bem visto entre a área acadêmica. “Já houve certo descontentamento por parte de acadêmicos por usarmos uma linguagem mais acessível e descontraída, quando eles esperavam algo bem formal por sermos alunos de pós. E isso eu não concordo, pois a ciência tem que ser acessível a todos”, ressalta Mirian. ” Já ouvi pessoas dizendo que divulgação é só para pesquisadores aposentados com carreira consolidada. Se for falar sobre Youtube, é pior ainda. Muitos acreditam que não é local certo para divulgação”, completa Rubinho.

Para se tornar um “AstroTuber”, há uma seleção com uma comissão de recursos humanos que analisa os pedidos. O único pré-requisito é que o conteúdo só seja produzido por profissionais da área.

Divulgação Científica

A preocupação com conteúdos de qualidade sempre esteve presente nos “AstroTubers”. Então, mesmo com o momento atípico em que estamos vivendo, eles ainda acreditam no potencial que a divulgação científica pode contribuir no futuro. “Muitas vezes, o que o cientista faz dentro da universidade não chega ao público. A internet é um meio que facilita a propagação de informação, então vamos usá-la para propagar a ciência”, finaliza Mirian.

Gostou? Você pode conferir todos os conteúdos do canal “AstroTubers” clicando aqui. 

Deixe seu comentário

Artigo anteriorFaça NUVEM só com a BOCA: Nós testamos
Próximo artigoRELÓGIO para CORRIDA de POMBOS? Hora de ver!
Jornalista e produtora de conteúdo. Desde criança, amo escrever e refletir sobre diversos assuntos. Faço questão de estar imersa nas redes sociais (minha favorita é o Instagram), e séries e filmes têm sempre um espacinho reservado no meu tempo livre. Como uma boa fã de Friends, acredito que um pouco de descontração é fundamental para levar a vida da melhor forma possível.