Grupo desenvolve jogos e brinquedos feitos de materiais recicláveis

publicidade

O desperdício de materiais que poderiam ser reciclados preocupa o bem-estar do planeta Terra. E foi partindo desse princípio que um grupo de estudantes resolveu desenvolver um projeto que visa a produção e confecção de brinquedos feitos de materiais recicláveis.

publicidade

Brinquedos feitos de materiais recicláveis

O desenvolvimento dessa temática teve como objetivo principal a criação de jogos e brinquedos para os alunos das séries iniciais do ensino fundamental a partir do uso de materiais recicláveis e dos resíduos têxteis obtidos no polo confeccionista de Divinópolis, Minas Gerais.

Quer conferir mais sobre o projeto? Leia o artigo produzido pelo grupo a seguir:

brinquedos-feitos-de-materiais-reciclaveis
Projeto foi desenvolvido pensando no entretenimento e no meio ambiente | Divulgação

“JOGUEDO: criação de jogos e brinquedos didáticos”

*Por Cecília Silva Rodrigues e Luiz Gustavo Ribeiro Silva
*Coordenado por Maria de Lourdes Couto Nogueira e Hemilly Brugnara Lara

O projeto JOGUEDO: criação de jogos e brinquedos didáticos a partir do uso de materiais recicláveis foi desenvolvido pela aluna bolsista Cecília Silva Rodrigues e pelo aluno voluntário Luiz Gustavo Ribeiro Silva, tendo a orientação da professora Maria de Lourdes Couto Nogueira e coorientação da professora Hemilly Brugnara Lara. Esse texto foi produzido pelos estudantes que realizaram o projeto.

O JOGUEDO surgiu através da observação da professora Maria de Lourdes, na qual ela notou que muitos resíduos têxteis das indústrias de confecção de Divinópolis, cidade caracterizada por ser um polo confeccionista da moda, eram dispostos inadequadamente no aterro da cidade comprometendo o meio ambiente ou em locais inapropriados para tal destinação. Dessa forma, o projeto iniciou visando a necessidade de conservação e preservação do meio ambiente ao se reaproveitar os resíduos que poderiam ter um fim maléfico para a sociedade. Nesse sentido, o desenvolvimento dessa temática teve como objetivo principal a criação de jogos e brinquedos, para os alunos das séries iniciais do ensino fundamental, a partir do uso de materiais recicláveis e dos resíduos têxteis obtidos no polo confeccionista de Divinópolis. Este projeto pretendeu também introduzir os alunos na estrutura conceitual dos conteúdos trabalhados e integrar os estudantes da área técnica do CEFET-MG, oportunizando fazer deles, atores de processos de impacto social e transformador.

Os métodos utilizados na pesquisa foram: questionário “on-line” discursivo sobre as necessidades dos alunos com os professores; pesquisa e revisão bibliográfica sobre as categorias de jogos e brinquedos didáticos existentes e o levantamento dos possíveis materiais.

No total foram elaborados 6 jogos e brinquedos, que são eles: as petecas que trabalham a socialização e o equilíbrio; o bambolê matemático que estimula o raciocínio das crianças além de trabalhar com a matemática básica (soma, divisão, subtração, multiplicação); o corpo humano que promove uma maior interação com a matéria de ciências e a memória; o jogo de palavras promove o aperfeiçoamento da língua portuguesa; o boliche matemático e o labirinto estimulam a coordenação motora da criança. Ademais, vale lembrar que todos os jogos e brinquedos podem ser adaptados à cada faixa etária.

No 28 de setembro de 2019 foi feito o pré-teste na Escola Municipal São Geraldo, em Divinópolis, com a apresentação e demonstração dos primeiros jogos e brinquedos criados. O pré-teste foi feito com os alunos, com a nossa supervisão, e assim percebemos os pontos positivos e negativos que eles estavam encontrando no processo de jogabilidade, para que, posteriormente, pudesse ser modificado.

De modo geral, não passamos por grandes dificuldades já que o projeto teve a opinião de vários profissionais da educação que nos auxiliaram para obter o melhor resultado possível. O desfecho desse projeto foi excelente já que os alunos se adaptaram bem aos brinquedos, tendo a possibilidade de revisar o conteúdo passado em sala de aula. Os professores também deram a suas opiniões elogiando e afirmando que os jogos seriam usados nas salas de aula.

No total foram elaborados 6 jogos e brinquedos
No total foram elaborados 6 jogos e brinquedos | Divulgação

As expectativas do nosso grupo em relação a Feira Brasileira de Ciência e Engenharia (FEBRACE) estavam altíssimas quando ficamos sabendo da possibilidade de participação no evento, ainda em 2019, ano no qual fomos campeões da Mostra Específica de Trabalhos e Aplicações (META), do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET-MG) Campus Divinópolis. Com o advento da pandemia, ficamos com certo receio de como seria a realização do evento, uma vez que ele seria feito on-line, entretanto, sabíamos da excelência da feira e, por isso, continuamos confiantes que seria excelente. E, certamente, não estávamos errados, haja vista a organização e a preocupação da FEBRACE com todo o processo realizado até o último dia da feira. Salas de avaliação extremamente organizadas, avaliadores muito atenciosos e e-mails enviados com a devida antecedência, essas foram algumas das principais características da FEBRACE. De fato, o principal sentimento que tivemos após as semanas de apresentação foi o de orgulho. Nosso projeto, felizmente, foi muito elogiado pelos avaliadores e demais colegas ali presentes, o que demonstrou que todo trabalho feito foi reconhecido e recompensado. Além disso, críticas construtivas foram realizadas, fato esse colaborou ainda mais para o aperfeiçoamento dos nossos jogos e brinquedos. A premiação de 4º lugar geral da FEBRACE na categoria Ciências Sociais foi muito comemorada por nosso grupo, pois sabemos da importância que esse evento tem para a educação brasileira, bem como pela felicidade de ser premiados em um evento tão grandioso. Por fim, relatamos aqui, que participar da FEBRACE foi uma experiência incrível e que, sem sombras de dúvidas, indicamos a todos os nossos colegas estudantes.

Para quem deseja participar de uma feira de ciências é preciso, primeiramente, ter consciência do que será apresentado, fazendo um bom planejamento sobre o projeto desenvolvido e sobre quais são seus objetivos ao participar do evento. Nesse sentido, a pessoa deve ter em mente desde como surgiu o projeto até as considerações obtidas com ele, haja vista que isso deixará a apresentação mais clara e fluida. Além disso, é importante ensaiar anteriormente e se questionar se algo não ficou nítido, tentando minimizar, com isso, todas as possíveis dúvidas da plateia e dos avaliadores. Ademais, sugerimos que aproveitem o evento, porque feiras de ciências sempre possuem excelentes trabalhos com tópicos extremamente atuais e relevantes, fato esse que pode contribuir muito para a sua jornada como estudante.

*A divulgação desse artigo na íntegra é uma parceria entre o Manual do Mundo e a FEBRACE (Feira Brasileira de Ciências e Engenharia). Nós convidamos os ganhadores da feira para escrever artigos sobre os projetos que eles desenvolveram. Você pode conferir outros textos como esse aqui.*

Deixe seu comentário

Artigo anteriorCanal USP: veja “aulas” da universidade de onde estiver
Próximo artigoO que tem DENTRO do NOTEBOOK