As 3 novas missões para Marte

publicidade

Lançar uma nave para Marte é uma tarefa incrivelmente complicada, que envolve um esforço de anos de preparação e bilhões de dólares em pesquisa e desenvolvimento. A janela para o planeta vermelho se abre a cada 2 anos, e dura por volta de um mês, que é o momento em que existe um alinhamento propício com a Terra que faz a viagem ser a mais eficiente do ponto de vista energético. Lançar fora dessa janela é possível, mas os gastos são tão elevados que é inviável hoje em dia ousar uma trajetória desse tipo. A notícia boa é que a janela para Marte está aberta agora, e 3 missões serão lançadas. Vamos entender cada uma delas:

Hope – Emirados Árabes

publicidade

Os Emirados Árabes Unidos são um país sem nenhuma tradição espacial. Não têm uma base de lançamento, nem foguetes lançadores e sua agência espacial foi criada apenas em 2014, justamente para desenvolver essa missão para Marte.

O país, que tem uma das maiores reservas de petróleo do mundo, busca criar investimentos e se desenvolver em novas atividades científicas e tecnológicas. Esta jovem nação comemora em 2021 seu aniversário de 50 anos de fundação, e lançar uma missão para Marte, que chegue no planeta em 2021, seria uma mensagem marcante para inspirar seus jovens cidadãos em almejar novos caminhos olhando para o futuro, numa tentativa de romper com o paradigma do petróleo. É uma missão que traz esperança e abre novos caminhos, daí seu nome Hope.

Embora o objetivo simbólico em chegar em Marte seja o mais importante, tiveram o cuidado de preparar uma missão que pudesse realizar avanços científicos importantes. A missão consiste em um orbitador – uma sonda que fica em órbita ao redor do planeta – que irá investigar a fundo a atmosfera de Marte. A ideia é poder coletar informações completas do clima marciano durante os ciclos sazonais, em diversas regiões do planeta, e também observar fenômenos nas camadas inferiores da atmosfera, como as recorrentes tempestades de poeira. Os dados serão liberados prontamente para toda a comunidade científica assim que começarem a ser coletados, em 2021.

A sonda foi lançada com sucesso em 19 de julho de 2020, por meio de um foguete japonês HII-A.

Tianwen-1 – China

A China começou seu programa marciano em 2011 de maneira desafortunada. Sua nave Yinghuo-1 estava pegando carona com a missão russa Phobos-Grunt que apresentou uma falha de motor e nem saiu da órbita terrestre. Ela volta agora de maneira independente e com uma missão extremamente ousada: colocar no planeta vermelho um orbitador, um pousador e um rover.

Os detalhes da missão não são bem conhecidos, pois a China é muito reservada com as informações do seu programa espacial. Sabemos, porém, que o objetivo principal é encontrar evidencias de vida atual e passada em Marte, mapear a superfície do planeta, investigar a composição do gelo e a sua atmosfera, ou seja, quase tudo. Além disso, haverá o teste de um sistema de armazenamento de amostras para missões vindouras.

A Tianwen-1 foi lançada com sucesso dia 23 de julho de 2020, de um foguete lançador chinês Longa Marcha 5.

Perseverance – NASA

Perseverance. Crédito: NASA/JPL-Caltech

Continuando seu Programa de Exploração de Marte, a NASA se prepara para lançar o Perseverance, o mais elaborado veículo de exploração espacial já construído. Por fora ele lembra bastante o rover Curiosity, que vem explorando Marte desde 2012, contendo o mesmo chassi do tamanho de um fusquinha, seis rodas, um mastro principal e um braço robótico; mas todos os sistemas do Perseverance foram aprimorados e ele leva um conjunto totalmente novo de equipamentos científicos em comparação ao seu primo mais velho.

O objetivo principal da missão é procurar sinais de vida que possa ter existido no passado. Sabemos que Marte foi, há bilhões de anos, um planeta muito parecido com a Terra, e existe uma enorme chance de que ao menos uma vida microcelular tenha se desenvolvido lá. Para encontrar tais indícios, o astromóvel conta com dois espectrômetros que podem analisar a composição do solo e detectar moléculas orgânicas complexas. Também testará um dispositivo que pretende gerar oxigênio a partir do gás carbônico da atmosfera de Marte, algo essencial para futuras missões tripuladas. Conta ainda com um medidor meteorológico, dois microfones e 23 câmeras, para captar imagens em diversas faixas do espectro luminoso, inclusive de forma estereoscópica (3D).

Ingenuity. Crédito: NASA/JPL-Caltech

O robô carrega mais uma surpresa. Tal qual um Kinder ovo, o Perseverance leva dentro de si um pequeno drone chamado Ingenuity que fará alguns voos de teste em Marte. Serão voos curtos e modestos, apenas como uma prova de conceito, para que os cientistas avaliem como um equipamento desse pode operar de maneira remota num outro planeta. Contudo, isso abre novas possibilidades para as missões futuras – imagine só, se em uma década, tivermos um helicóptero voando em Marte, quem sabe até levando seres humanos?

A missão deve partir no dia 30 de Julho de 2020, a bordo do foguete Atlas V lançado do Kennedy Space Center. Não deixe de assistir ao lançamento, será um grande evento.

Deixe seu comentário