Molusco usa veneno para dar choques em suas vítimas

publicidade
Das mais de 700 espécies de Conus, só 100 delas passaram a comer peixe. Fonte: Science Magazine
Das mais de 700 espécies de Conus, só 100 delas passaram a comer peixe. Fonte: Science Magazine

Alguns moluscos, como as lesmas e caramujos, são animais bem paradões e não têm lá muitas habilidades especiais. Mas alguns de seus primos mais próximos, conhecidos como Conus, ficam escondidos em tocas o dia todo e usam uma espécie de arpão para injetar seu veneno em pequenas presas, como poliquetos (parentes aquáticos das minhocas) e peixes.

publicidade

Os cientistas queriam entender melhor como os conídeos passaram a comer peixes, que são presas maiores e mais difíceis de capturar (especialmente se você ficar parado no mesmo lugar!), e descobriram que tudo está relacionado com o tipo de veneno desses moluscos.

A toxina contém uma proteína com nome complicado, a δ-conotoxina TsVIA, que atua nas células nervosas dos vertebrados e causa uma paralisação quase instantânea, como se o peixe tivesse levado um choque de Taser (as armas de choque usadas por policiais).

Os cientistas responsáveis pela pesquisa, publicada no começo de abril (06) na revista PNAS, ainda sugerem que esse veneno surgiu antes da espécie estudada (Conus tessulatus) desenvolver o apetite para peixes e também como uma forma de afastar outros predadores que comessem as mesmas “minhocas” marinhas.


Já imaginou se o Lasier tivesse tomado um choque do Conus?

+ Aprenda mais sobre o caramujo-gigante-africano e outras espécies invasoras

 

Fonte: Science Magazine

Deixe seu comentário