Gambiarras fazem tecnologias antigas virar música


Com a popularização dos cartões de memória e pendrives de grande capacidade de armazenamento fica difícil imaginar que durante muito tempo as pessoas eram obrigadas a salvar e transportar seus arquivos em pequenos discos magnéticos com espaço para 1,44 MB de informação (versões mais antigas, ainda menos). Nosso amigo disquete (floppy disk), apesar de ser conhecido como “disco flexível”, foi soterrado pelo desenvolvimento tecnológico e, como tantas outras invenções, acabou tornando-se obsoleto. Ou quase.

Anand Jain, que atende pelo nome de usuário MrSolidSnake745 no YouTube, decidiu dar um rumo extremamente criativo para os drives (leitores) de disquetes abandonados pela informática moderna: misturando conhecimentos técnicos com sua veia artística, o jovem inventor desenvolveu uma forma de conectar e sincronizar os barulhentos equipamentos para que juntos funcionem como instrumentos musicais em uma orquestra eletrônica.

Em seu canal estão disponíveis as versões executadas pelas engenhocas de diversas músicas e temas famosos da cultura pop, como a trilha do filme “Os Caça Fantasmas”, da série de TV “Power Rangers” e do game “Mortal Kombat”. Para representar o conjunto da obra, trazemos o tema de “Game Of Thrones”, aproveitando este momento em que os fãs estão quase histéricos com a estreia da 4ª temporada:

Outro usuário do YouTube que decidiu reaproveitar drives de disquetes para fazer música é o Gigawipf, que até apelidou o gênero de “Floppy Music”. Dentre tantos sucessos da música internacional homenageados, uma das apresentações mais assistidas é esta versão de “Tainted Love” da dupla inglesa Soft Cell, tocada por 13 leitores de disquete e um disco rígido:

Quem achou que os únicos eletrônicos com vocação musical são os disquetes vai se surpreender agora com “Eye Of The Tiger”, da banda Survivor, trilha sonora clássica do filme “Rocky: Um Lutador” executada por uma impressora matricial adaptada pelos cientistas da MIDIdesaster:

Agora imagine então se misturarmos uma impressora, um videogame Atari e mais alguns outros objetos inusitados para tocar uma versão da belíssima “House of The Rising Sun”, da banda britânica The Animals

No canal bd594 rolam muitos outros experimentos musicais com “bandas robóticas”, como esta versão de  “Somebody That I Used to Know” do cantor e músico Gotye:

Ou esta da clássica “Bohemian Rhapsody”, do Queen:

Neste momento imagino músicos de todo o planeta temendo por seus empregos

Deixe seu comentário